Você está¡ vendo os artigos na categoria “Poesia”

Guitarra Y Vos

autoria:

Que viva la ciencia,
Que viva la poesia!
Que viva siento mi lengua
Cuando tu lengua está sobre la lengua mía!
El agua esta en el barro,
El barro en el ladrillo,
El ladrillo está en la pared
Y en la pared tu fotografia.

Es cierto que no hay arte sin emoción,
Y que no hay precisión sin artesania.
Como tampoco hay guitarras sin tecnología.
Tecnología del nylon para las primas,
Tecnología del metal para el clavijero.
La prensa, la gubia y el barniz:
Las herramientas de un carpintero.

El cantautor y su computadora,
El pastor y su afeitadora,
El despertador que ya está anunciando la aurora,
Y en el telescopio se demora la última estrella.
La maquina la hace el hombre…
Y es lo que el hombre hace con ella.

El arado, la rueda, el molino,
La mesa en que apoyo el vaso de vino,
Las curvas de la montaña rusa,
La semicorchea y hasta la semifusa,
El té, los ordenadores y los espejos,
Los lentes para ver de cerca y de lejos,
La cucha del perro, la mantequilla,
La yerba, el mate y la bombilla.

Estás conmigo,
Estamos cantando a la sombra de nuestra parra.
Una canción que dice que uno sólo conserva lo que no amarra.
Y sin tenerte, te tengo a vos y tengo a mi guitarra.

Hay tantas cosas
Yo sólo preciso dos:
Mi guitarra y vos
Mi guitarra y vos.

Hay cines,
Hay trenes,
Hay cacerolas,
Hay fórmulas hasta para describir la espiral de una caracola,
Hay más: hay tráfico,
Créditos,
Cláusulas,
Salas vip,
Hay cápsulas hipnóticas y tomografias computarizadas,
Hay condiciones para la constitución de una sociedad limitada,
Hay biberones y hay obúses,
Hay tabúes,
Hay besos,
Hay hambre y hay sobrepeso,
Hay curas de sueño y tisanas,
Hay drogas de diseño y perros adictos a las drogas en las aduanas.

Hay manos capaces de fabricar herramientas
Con las que se hacen máquinas para hacer ordenadores
Que a su vez diseñan máquinas que hacen herramientas
Para que las use la mano.

Hay escritas infinitas palabras:
Zen, gol, bang, rap, Dios, fin…

Hay tantas cosas
Yo sólo preciso dos:
Mi guitarra y vos
Mi guitarra y vos.

(Jorge Drexler)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 23.04.14

Nostalgie

Bem perto de acabar,
mas bem perto mesmo,
onde o ultimo alinhavar
de esperança ainda
desenhará colorido em cartolinas
o dia que não virá,
lembra das tardes que
que as sacolas de plástico
e as pedras do jardim
eram as fontes mais
sinceras de risos,
o futuro era um mito
e o desespero
era só uma palavra
das pessoas grandes.

 (Poeta Bastardo)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 20.04.14

Tentaram Sufocar o Menino

Ao amigo Elizeu Braga

O menino vê um cometa,
Sente o menino sua alma brilhar,
Surge em seus olhos duas luas,
Escreve agora verdades cruas…

O menino eles não veem,
O menino eles não ouvem,
O menino eles não sentem,
Eles o sufocam…

Cresce o menino sem respirar,
Aprende verdades duras,
Já não há cometas para lhe guiar,
Escreve então mentiras suas…

O menino chora,
Implora!

Dizem-lhe: “Aceite seu destino”

O menino agora já adulto trabalha,
Um adulto sem desatino,
Come pão de seu suor e dorme sobre a palha.

Nesta escuridão vê novamente,
o cometa resplandecente,
e o adulto volta a ver o menino…

Sobe no rabo do cometa e muda seu destino!

Mas eles ainda não o veem,
Eles ainda não o ouvem,
Eles ainda não o sentem,
Eles ainda o sufocam…

O menino não chora,
Não quer atenção,
Já não implora,
Coloca sua caneta em ação,
Versos surgem como outrora.

E a vida, sentindo…
É poeta este menino!

(Poeta Mórbido)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 18.04.14

O Filho do Divino

autoria:

Ademir da Guia passando pelo nunca campeão paulista Rivellino

Obrigado Domingos
Pois que deste ao mundo
Um filho Divino
Dez de ouro de lei
Do quilate mais fino
E assim quis o destino
Que as passadas do pai
O filho fosse o seguidor
Seguidor, seguidor
Na passada sublime
Seus cabelos de fogo
São fios de vime
Ele é filho do mestre
Do mostro de um time
Que o mundo define
Como um criador
Dos verdes campos mundiais
Entre urros e gritos
Humilde rei
E seu nome entre os mitos
Eu cantarei
Força nos pulmões
Vibrem corações
Torçam com os passes
Deste Mágico Divino
Igual ao pai
Porque hoje é domingo
Ele faz o que fez
Em mil outros domingos
Ele pisa na grama
E ela fica sorrindo
E um gol explodindo
Obrigado Domingos
Por nos dar um novo Guia.

(Moacyr Franco)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 3.04.14

Escavação

Numa ânsia de ter alguma coisa,
Divago por mim mesmo a procurar,
Desço-me todo, em vão, sem nada achar;
E a minh’alma perdida não repousa.

Nada tendo, decido-me a criar:
Brando a espada: sou luz harmoniosa
E chama genial que tudo ousa
Unicamente à força de sonhar…

Mas a vitória fulva esvai-se logo…
E cinzas, cinzas só, em vez de fogo…
– Onde existo que não existo em mim?

……………………………………………………
……………………………………………………

Um cemitério falso sem ossadas,
Noites d’amor sem bocas esmagadas –
Tudo outro espasmo que princípio ou fim….

(Mário de Sá-Carneiro – Paris, 03/05/1913)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 29.03.14

Sanata o mucho más que una sanata

A Luisa Valenzuela

Al vino le gustan los rincones,
la soledad fresca y oscura, el duelo de los árboles, el sueño de los sótanos,
las clepsidras y los más antiguos relojes que ya se han cansado del tiempo.

Al vino le gustan las espadas,
las anotaciones en los mapas, el silencio de la brújula, el canto de las olas,
los barcos de siglos pasados, la luna en el cielo y la misma luna en el mar.

Al vino le gustan los negros chales de vicuña,
los almanaques, las cintas, las medallas, el papel de seda, los pergaminos
lejanos y abandonados, los viejos libros que apenas murmuran su desdicha.

Al vino le gustan los viajes,
las islas escondidas, los tesoros, las leyendas, los escritorios, los teatros,
vivir de ilusiones y frases célebres, las damas de la noche, el oro y el olvido.

Al vino le gustan las doncellas,
los violoncelos, las sacristías, los arcones, las sacerdotisas, las astrólogas,
los alquimistas, los fantasmas, las máscaras, los poetas, los piratas y los políticos.

Al vino le gustan las madrugadas,
mentir en las tabernas, ser juglar, trovador, señor en un palacio, un libertino
en las alcobas; ser un sabio mayordomo, ser actor, doctor y un domador de viudas.

Al vino le gustan las maderas,
los sonidos de la penumbra con telarañas que se mueven como tímpanos,
los frutos prohibidos, los ruiseñores de la lluvia y el amor de los insectos.

(Miroslav Scheuba)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 28.03.14

Stefanie

Stefanie, no hay dolor mas atroz que ser feliz,
decías anoche ouve-me, por favor, bésame aquí.
Stefanie, sé que tu corazón fala de mim
y eso es dolor, Stefanie.

Stefanie, yo ayer estaba solo y hoy también
pero en mi cama ha quedado el perfume de tu piel.
Te veo salir, correr por el pasillo del hotel,
la vida es cruel, Stefanie.

Stefanie, hay una sombra oscura tras de ti;
de tu ternura, recuerdo la mirada azul turquí,
los pies calientes, tus palabras de amor en portugués,
pero no a ti, Stefanie.

Stefanie, hazme saber si va a sobrevivir
entre la gente, el color de tu pelo, Stefanie.
Debes vivir la soledad que sales a vender
sé más mujer, Stefanie.

Stefanie, yo tampoco te quiero, mas tu amor
por el dinero ha olvidado al obrero y al señor;
esta canción que pregunta por ti, que no ha dormido,
es puro olvido, Stefanie.

(Alfredo Zitarrosa)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 25.03.14

Eu não quero o Presente, quero a Realidade

Imagem by Antonia D’Orazio

Vive, dizes, no presente,
Vive só no presente.

Mas eu não quero o presente, quero a realidade;
Quero as coisas que existem, não o tempo que as mede.

O que é o presente?
É uma coisa relativa ao passado e ao futuro.
É uma coisa que existe em virtude de outras coisas existirem.
Eu quero só a realidade, as coisas sem presente.

Não quero incluir o tempo no meu esquema.
Não quero pensar nas coisas como presentes; quero pensar nelas
como coisas.

Não quero separá-las de si-próprias, tratando-as por presentes.

Eu nem por reais as devia tratar.
Eu não as devia tratar por nada.

Eu devia vê-las, apenas vê-las;
Vê-las até não poder pensar nelas,
Vê-las sem tempo, nem espaço,
Ver podendo dispensar tudo menos o que se vê.
É esta a ciência de ver, que não é nenhuma.

(Alberto Caeiro – Heterônimo de Fernando Pessoa)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 23.03.14

#1

Não há graça
nem rodeios.

Se eu levantasse
a leveza que há
nos sonhos

Indicaria caminhos
novos, dias outros

a manhã desceria mais
calma, a memória
viria mais bela.

Mas não há absurdo
que maltrate sem razão.

Agora é só moldura
Numa casa de alegrias

à venda.



Categoria: Poesia |
| Postado em: 19.03.14

Quem?

Chorou tanto que
inundou a cidade.

Saiu no jornal.
Comentou a mãe de família…
Foi piada e foi tristeza.

Discussão de bar e mesa.

Fez nadar os secos
porque nada é eco.

Faz lembrar:

Quem que chora?

(Poeta Bastardo)



Categoria: Poesia |
| Postado em: 19.03.14
Página 3 de 1312345...10...Última »